domingo, 29 de dezembro de 2013

MIRAGEM PERFEITA





Teu olhar vadio me desejava
Despreocupado,
Despudorado, seguro...
Fazia com que me sentisse tocada
Teu braço se movia cadenciado
Sabia sim o que provocava aquilo
Olhos semicerrados,
Boca salivante,
Sussurro obsceno,
Não ouvia sua voz,
Lia em seus lábios,
A confissão perfeita,
Meus sentidos todos respondiam acesos
Seus olhos, tanto me desejavam,
como me devoravam, sem disfarces,
Sua mão atravessaria a tela,
Seu corpo se imporia ao meu
Seus arrepios, sentia-os eu,
Impossível não render-me
Não procurar de mim o ponto certo
Deixar-te ver, o toque íntimo, malicioso
Ali, eu era sua miragem perfeita,
Meu corpo respondia ao seu, pontualmente,
Nossas palavras criavam imagens,
Sensações cresciam, como um tsunami de prazer,
Não adiantaria disfarçar,
Meu desejo era escancarado,
Não havia pudor, não havia limite,
Havia a distância, que a imagem fazia esquecer,
Entregava-me ao teu prazer,
Aos teus olhos,
A tua imaginação,
Farei para os teus olhos, tudo o que me pedires,
Então serei toda sua...
Extasiada, deleitada e realizada,
Com as mãos, cheias de prazer...

Vera Celms
Licença Creative Commons
MIRAGEM PERFEITA de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário