domingo, 31 de março de 2013

ELE E ELA ATRÁS DA TELA





Podia ver naquele quarto escuro
Com a luz somente advinda da tela do computador
A cueca branca sobre a pele escura
O volume ali encerrado
Sentia em suas palavras a inquietude
A vontade de atravessar a tela
De cortar a distancia
De cruzar o espaço
De tocar o corpo dela
Era flagrante ali o desejo
Em hormônios virtuais
Não sentia o cheiro,
Não havia gosto
Ela via o pulsar dele
Ele, o tremer da carne dela
A respiração fazia-lhes subir e descer o peito
O rubor das peles que brilhavam pelo suor
Os olhos claros de pupilas dilatadas
Os olhos negros de avidez exaltada
O interesse, fazia com que ela visse
Com que ele se mostrasse
A nudez e o prazer, agora compunham o quadro,
Iluminado unicamente pela luz do computador
Ele enxergava o brilho dos olhos dela
Podiam ambos fechar os olhos
Que o sentir ainda estaria pulsando...
Pois estava lá, em todo lugar, o sentido
De todas as coisas ditas,
De todos os sonhos nascidos ali,
Planos e desejos postos em palavras
Depositados em ouvidos excitados
Só podiam transformar-se,
Em mãos cheias de amor...
Atrás de suas telas ... ele e ela...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho ELE E ELA ATRÁS DA TELA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 24 de março de 2013

OCASO DO ACASO





Saio daqui
Sabendo encontrar-te ali,
(tra) vestida,
(re) vestida,
(in) vestida,
Afinal, (des) vestida,
Teu olhar, safado me cumprimenta
Teu toque, safado me bolina
Tua ereção, safada encosta em mim
E fica, permanece, aumenta,
Intrometida impõem-se
E penetra...
Vai e volta sem sair,
Saio daqui,
Pronta,
Tonta,
Sob o vestido desvestida
Porque sei encontrar-te ali,
Disposto
Disposta
Esfrega, roça, atrita
Inerte, distraída, decidida,
E louca
Excitada e louca
Disposta e louca
Satisfeitos e pronto...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho OCASO DO ACASO de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 17 de março de 2013

LOBA SALIVANTE


foto colhida na internet

Visito os mesmos lugares
Lá onde sempre te encontrei
Não frequentas nem mais os mesmos bares
Lá, a sua malicia cabia em todos os meus versos
O seu olhar por trás de todos os verbos
Ainda aquecerias as mãos
para tocar meus seios,
nas manhãs frias?
Então, não perdeu o toque
Nem a malicia
Não perdeu o olhar lascivo
Nem a doce safadeza libertina, pois
Sinto o cheiro do teu vagabundo cio
E ainda salivo quando saio a te procurar...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho LOBA SALIVANTE de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 10 de março de 2013

AMO-ME





Como pode morar comigo
Dentro da minha casa,
Dentro da minha imaginação
E não conhecer quem sou,
Por baixo das minhas casuais vestes
Por baixo da minha pele afogueada
Como pode imaginar, sem arder,
Condenar sem consentir
Como pode supor
Como pode encontrar-me nua no seu leito
Sem conceber desejo,
Libidinagem, volúpia,
Como pode condenar-me por amar-me só...
Como pode dividir, sem partilhar,
Como pode me querer só no seu quarto
Se te desejo pela casa toda
Como pode deixar-me tão só
Na noite insone, desejosa
Como pode vasculhar a madrugada sem mim
E imaginar que sem você não chego ao fim
Amo-me sim,
E te convido a entrar
No gozo desse imenso prazer
Quando adormeço nua, cansada
Pretendendo despertar nua, realizada,
Sonhando com lugares e fantasias,
Convido-te a ser feliz comigo,
Se mais feliz quiseres ser...
Busque minha nudez escondida
Safadamente sob as serias vestes,
Feche os olhos e flagre-me,
Atravessando nua,  os corredores da casa
Invadindo seus pensamentos,
Entre o quarto e o banheiro,
Entre o banheiro e a cozinha,
Entre e fique a vontade,
Tome-me no colo
E deite-me aonde estiver,
Ama-me, liberte-me, transcenda-me,
Amanheça-me, ainda que tenha acabado de anoitecer...
Sorrindo...
... satisfeita...


Vera Celms

domingo, 3 de março de 2013

NO DOCE DA LÍNGUA




 Falta-me o doce na língua
Falta-me o ar
Falta-me você
Olho para os lados
Espero o toque excitado do teu corpo
Ansiosa tremo
Sentindo o arrepio a subir e descer
Escalando meus poros interessados
Dilatados,
Transpiro teu hálito
Quero teu corpo
Quero tua mão
Quero teu interesse todo
a vasculhar o meu
Sexo incendiado...
Inquietude voraz
Preciso sonhar
Preciso sentir minha pele
na tua pele colar
Preciso te atiçar
E me render
E me entregar
Preciso de você

Vera Celms

O trabalho NO DOCE DA LÍNGUA de Vera Celms