domingo, 24 de fevereiro de 2013

CONSENTIDA





Convido-te sem sentir
Meus olhos brilham
Tão interessados quanto felizes
Tua imagem, uma miragem,
Te receberia de todo jeito
Abriria a porta pra você
Vestida de festa
Ou de calcinhas
Não pelo traje
Mas pelo ligeiro do gesto
Não haveria como mudar de pensamento
Muito menos de rumo
Ou de roupas
Vem, reconhece em mim
Aquela que sempre procurou
Por todos os atalhos
Colhe minha excitação
Fruta madura
Leva tua mão
E traz contigo,
Me leva pra onde for
Como for
Para o que for
E eu vou...
Silente,
Enrubescida,
E não menos consentida
Colher o que plantei em ti

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho CONSENTIDA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

MEUS E TEUS PÉS




arte de ANDRÉ RUIZ

Precisa deixar que meus pés
Alcancem o chão,
A água, o barro,
A água, a felpa da tua toalha
A maciez dos teus 300 fios,
Os pelos da tua perna,
O caminho da tua casa e das tuas coxas,
Precisa deixar que meus pés
Reconheçam sempre a textura da tua pele
O calor, o toque,
o aconchego da ponta na tua concha
O frio da água da chuva na frente da sua casa
E o carinho da água morna do teu chuveiro
A cama líquida da sua banheira
O gosto e o calor do seu mel
Com esses mesmos pés
Me atreverei na ponta dos precipícios,
Os penhascos todos conhecerão meus pés
Os montes e os rios, os mares,
Desde que seja com e por você
Vou percorrer todos os caminhos
Tentando farejar tua proximidade
Me entregando ao teu feromônio
Me acabando de prazer no teu prazer,
Com a carne trêmula e a alma leve...
Quero sentir o corpo mole depois do amor
E o adormecer no teu peito,
Deixe meus pés bem próximos dos teus
E assim, estarei feliz...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho MEUS E TEUS PÉS de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 10 de fevereiro de 2013

PRECISO DAS TUAS MÃOS





Preciso que tuas mãos toquem
Meu corpo todo aceso
Minha boca sedenta
O suor da minha libido ofegante
Preciso que tuas mãos alcancem
Todos os meus esconderijos
Os recantos das minhas fantasias
A voracidade do meu cio
Preciso que tuas mãos incitem
Mais um sonho
Mais uma bolinação
Mais uma safada fantasia
Mais um espasmo, um tremelicar
Preciso que tuas mãos me puxem
Pelo pescoço suado, sob os cabelos
Me arrebatando num longo beijo
Pelos ombros,
Puxando-me para fora da razão,
Pelas ancas,
Num encoxar irresistível
Para que possam enfim, suas mãos
Atiçarem pequenos choques,
meus espasmos, no meu segredo mais irrigado,
Preciso que tuas mãos
Depois de tudo,  me acalmem
Acariciando-me os cabelos, o rosto,
Brincando com os efeitos malemolentes
Da malicia, do prazer e da satisfação
Oferece-me então teu braço, teu peito
Oasis, ao fartamento dos meus sentidos todos
Preciso que tuas mãos me afaguem,
Me acarinhem,
E me reacendam quando acordar...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho PRECISO DAS TUAS MÃOS de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

PISCARES





Por dois piscares dos olhos teus
Invergo-me, encolho-me, quebro-me,
Repenso todas as convicções
Deixo de dar explicações
Deixo de escolher os caminhos
Entro em qualquer atalho
Por dois piscares dos olhos teus
É inevitável, inexplicável, irresistível,
São como dois tostões,
Para o faminto, como dois pães
Confio em mim, garanto-me,
Até dois piscares dos olhos teus,
E te entrego o meu amor,
Bandido, escondido, velado,
Então abro-te as pernas,
Descerro os olhos,
Corro para teus braços sem que me chame,
Fico ao teu lado,
Confundo-me, calo-me,
Esqueço o passado,
Chamo-o novamente de meu bem,
Tudo por dois piscares dos olhos teus,
Tão mais fortes que eu...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho PISCARES de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.