domingo, 14 de outubro de 2012

MINHA FADA, MINHA BRUXA



Quando volto pra casa
Com o corpo exausto

Com a pele açoitada

Querendo mais nada,

e me cobras tudo o que não fiz

Lembra-me da louça, da louca

Lembra-me da roupa, e da falta de nudez

Leva-me ao limite, e bem alem de todo limite

Aí sou bruxa

Adormeço suja, torta, desalinhada



Quando acordo

Branda da noite

Com a pele renovada

Querendo conversar, resolver e mais tudo

Não lembras do que foi dito ou feito

Abraça-me louca,

Com olhos brincalhões sobre minha nudez

Leva-me ao limite, e bem além do meu próprio limite

Aí sou fada

Recostada no teu peito, adormeço extasiada...



Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho MINHA FADA, MINHA BRUXA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário