domingo, 23 de setembro de 2012

SONHO, MAGIA, MALICIA...



Você é um farsante
Cheio de sonhos,
Falsos sonhos acordados,
Invenções imaginárias
Não procuro santos a esculpir
Quero lobos vadios,
Atravessando meu caminho,
Impuros, impolutos, impudicos,
Procuro o calor da pele, dos pelos,
Procuro o calor da libidinagem acesa
Não quero títulos,
Nem rótulos,
Te quero personagem da minha poesia,
Minha inspiração mais devassa,
Mais inconfessável,
Não quero nomes, nem endereços,
Nem telefones,
Nem datas,
Sem localizadores...
Quero você quando der,
Se acontecer,
Sem posse, sem domínio,
Quero você tímido,
Ingênuo; só então menino,
Quero o homem que reside em ti,
Pronto pra crescer,
Ainda que nem dê tempo,
Pronto para amadurecer,
Só então te aceito tão cru,
Não vim pra te transformar,
Mas para aceitar o ainda inaceitável,
Por mais que seja tua,
Quero primeiro ser minha,
Como sempre fui, como me construí
Quero não me preocupar com meninices,
Quero não me aborrecer com teus tantos quereres,
Pouco justificáveis,
Ou avaliáveis,
Quero você de repente,
No calor do abraço,
Que evolui para o cio,
Que toma paixão por desejo,
Amor por tesão,
Cumplicidade por lealdade,
Quero que seja meu,
Na minha cama,
Enroscado nos mesmos lençóis,
Ao mesmo tempo,
Fora deles eu sou eu, você é você,
Não sou sua dona,
Nem sua mentora,
Nem sua genitora,
Também não és meu dono,
Nem meu deformador,
Nem minha cria,
Quero o homem mal crescido,
Malcriado,
O homem efervescente,
Virado do avesso,
Posto à mostra,
Mas só enquanto minhas mãos puderem te tocar,
Não me queira nas tuas retinas virtuais,
Me queira na tua fantasia mais indecente,
Te quero na margem da minha vida,
Podemos caminhar juntos,
Não construir estradas,
Nem muralhas, nem vivendas,
Te quero no matagal que ladeia a via,
Te quero na contra mão da minha história,
Quero gozar contigo o que os incertos temem,
Mas, quando levantar pela manhã,
Termos o direito de escolher outra direção,
Se quisermos
Até que nossos caminhos se cruzem novamente,
Te quero meu sigilo,
Meu segredo... tão necessário...
O segredo faz parte da pulsação do poeta,
Te quero menino, explorando a minha vivência,
Trocando, tocando, mexendo, bolinando,
Arrepiando, estremecendo,
Salivando, tremendo de desejo,
Suando, transpirando, levitando,
Criando, transformando compromisso em brincadeira,
Te quero leve, te quero solto,
Te quero meu...
Sem que ninguém saiba,
Sem que ninguém veja,
Sem que ninguém entenda,
Só nós...
Por quanto tempo durar,
O sonho... a magia... a malicia...
Vera Celms

Licença Creative Commons
A obra SONHO, MAGIA, MALICIA... de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário