domingo, 3 de junho de 2012

PECADOS EXPIRADOS

FOTO COLHIDA NA INTERNET

Meus pecados expiraram todos
Por decurso de prazo
Pudica nunca fui
Devassa também não
Afoita, aí sim
Desejada, provocante e afoita
Excitável, excitante e afoita
E o excedente de imaginação?
Escondi sob os lençóis
Enrosquei nos edredons
Muquifei na fronha
Do travesseiro que dorme
Entre as pernas
Deixei escorrer pra dentro dos sonhos
Entre os dedos untados de desejos
Hidratados em álcool
Defumados em cigarros alheios
Perfumes amadeirados sutis
Pecados fiz a riscos de giz
Pulei cercas, muros, muralhas
Transgredi regras, leis, gentis palavras
Criei ilusões, ideais e confissões
Mas, até os pecados tem prazos
Paixões e conflitos são pleonasmos
Felicidade não é culpa remida
Tesão não é pecado pra toda vida
Eles (os pecados) vivem, ofegam, e respiram
Criam-se, evoluem e transpiram
Cumprem-se e antes de expirar ironizam
A vida, a inteligência e a compreensão
Então, tesão não é pecado, é só tesão
Os demais pecados, ínfimos, expiraram

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho PECADOS EXPIRADOS de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário