domingo, 24 de junho de 2012

VONTADE DE BRINCAR


Excitada,
Ainda lembro das brincadeiras silenciosas
Dos domingos de manhã
Enquanto todos dormiam
E passiva, tu me bolinavas
Não podia fugir sem quebrar o silencio
Não  queria fugir pra não quebrar o brinquedo
E seu toque cada vez mais ousado
Atrevido e excitado
Teu corpo tocava o meu
Insistente e duramente
Enquanto ia e vinha; fingindo-se distraído
Meu corpo cada vez mais interessado
Não devias, não podias,
E eu não devia gostar
Aquilo ainda mais me excitava
Torcia pra ninguém aparecer
Pra sutilmente me oferecer
Brincando de faz de conta
Brincava eu de não querer
E você de não notar
Mas o esconde-esconder o dia todo durava
Nas esquinas da casa
Na cozinha; enquanto todos sala faziam
Na sala; enquanto todos se distraiam
Brincadeira libidinosa
Por isso mesmo perigosa
E por proibida, escolhida
Um dia ainda deixo tu me pegar
Enquanto excitada, nas brincadeiras eu pensar
Que vontade!!!

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho VONTADE DE BRINCAR de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada

sexta-feira, 15 de junho de 2012

COMUNICADO

Amigos queridos, seguidores e visitantes,

Por força de uma cirurgia oftalmologica (catarata). Estarei ausente por tempo ainda indeterminado.
É uma intervenção hoje, bastante simples. Porém, como não é todo dia que alguem corta seu olho, estou ansiosa. A cirurgia será hoje, 15 de junho as 12 horas.
Voltarei o mais rapido que puder. Obrigado a todos pela compreensão... Vibrem por mim... beijos a todos, meu carinho, meu amor...

Vera Celms

domingo, 10 de junho de 2012

ESPERA NA MADRUGADA

Sinto falta do seu halito
Seu respirar quente no meu pescoço,
Nos meus ouvidos,
Sua língua intrometida na minha orelha
Fazendo-me arrepiar surpreendida,
Tremo em lembrar da libidinagem
Sinto saudade da tua volúpia, mas
Tuas caricias foram minguando
Aos poucos foram secando
Pouco a pouco se afastando
Quero-te todo,
Excitado, interessado, apaixonado
Acostumei-me as suas caricias
Aos seus olhares me despindo
Quero hoje ouvir sua voz, seu nome,
Quero sentir sua presença, ainda que  distante
Suas mãos insinuadas no meu corpo
Suas palavras me provocando
Vasculhando minha intimidade
Sua saudade, de mim sua necessidade
Sinto falta do amor da madrugada!
Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho ESPERA NA MADRUGADA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença

domingo, 3 de junho de 2012

PECADOS EXPIRADOS

FOTO COLHIDA NA INTERNET

Meus pecados expiraram todos
Por decurso de prazo
Pudica nunca fui
Devassa também não
Afoita, aí sim
Desejada, provocante e afoita
Excitável, excitante e afoita
E o excedente de imaginação?
Escondi sob os lençóis
Enrosquei nos edredons
Muquifei na fronha
Do travesseiro que dorme
Entre as pernas
Deixei escorrer pra dentro dos sonhos
Entre os dedos untados de desejos
Hidratados em álcool
Defumados em cigarros alheios
Perfumes amadeirados sutis
Pecados fiz a riscos de giz
Pulei cercas, muros, muralhas
Transgredi regras, leis, gentis palavras
Criei ilusões, ideais e confissões
Mas, até os pecados tem prazos
Paixões e conflitos são pleonasmos
Felicidade não é culpa remida
Tesão não é pecado pra toda vida
Eles (os pecados) vivem, ofegam, e respiram
Criam-se, evoluem e transpiram
Cumprem-se e antes de expirar ironizam
A vida, a inteligência e a compreensão
Então, tesão não é pecado, é só tesão
Os demais pecados, ínfimos, expiraram

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho PECADOS EXPIRADOS de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.