domingo, 18 de março de 2012

PROVE DE MIM



Vais ter de provar de mim,
Meus cheiros, meus gostos, meu cio
Me atiças, me faz imaginar,
Levitar, recorrer ao toque solitário
Perfumo meu corpo pra você
Cheiros meus espalhados por todo lado
Meus calores todos,
Meus eriçares,
Meus desejos que se multiplicam
Chamo seu nome,
Sussurro, sem pudores, indecências
Recorro, sem vergonha, querências
Procuro sua boca no escuro do quarto
Procuro seus mais ousados olhares
Provoco situações irresistíveis
Ponho-me ao alcance dos seus dedos
E tomo os seus com a boca molhada
Meus sabores e os seus se encontram despudorados
Se atiçam, se mostram, se juntam e gozam...
até o adormecer... até o sonhar
Acordamos montados em nós,
Entrelaçados, enroscados,
E confundimos os meus com os seus
Desejos regados de volúpia
Libido declarada e aberta
Tomada e invadida
Por um momento a minha profundeza
Tocada e inchada de safadeza
Se rende a sua
E misturam nossos salivares e fluídos
Numa só concha acoplada, unida e presa
Cheia, transbordando de tesão,
E nossos olhos fechados conhecem,
enfim,
apertados, a declaração de sonho realizado...
Estirados, rendidos, adormecidos e molhados...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho PROVE DE MIM de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário