domingo, 18 de março de 2012

PROVE DE MIM



Vais ter de provar de mim,
Meus cheiros, meus gostos, meu cio
Me atiças, me faz imaginar,
Levitar, recorrer ao toque solitário
Perfumo meu corpo pra você
Cheiros meus espalhados por todo lado
Meus calores todos,
Meus eriçares,
Meus desejos que se multiplicam
Chamo seu nome,
Sussurro, sem pudores, indecências
Recorro, sem vergonha, querências
Procuro sua boca no escuro do quarto
Procuro seus mais ousados olhares
Provoco situações irresistíveis
Ponho-me ao alcance dos seus dedos
E tomo os seus com a boca molhada
Meus sabores e os seus se encontram despudorados
Se atiçam, se mostram, se juntam e gozam...
até o adormecer... até o sonhar
Acordamos montados em nós,
Entrelaçados, enroscados,
E confundimos os meus com os seus
Desejos regados de volúpia
Libido declarada e aberta
Tomada e invadida
Por um momento a minha profundeza
Tocada e inchada de safadeza
Se rende a sua
E misturam nossos salivares e fluídos
Numa só concha acoplada, unida e presa
Cheia, transbordando de tesão,
E nossos olhos fechados conhecem,
enfim,
apertados, a declaração de sonho realizado...
Estirados, rendidos, adormecidos e molhados...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho PROVE DE MIM de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 11 de março de 2012

SEM ESCAPATORIA


 A noite toda
Senti teu olhar me despindo
A noite toda,
Deixei que me desejasse
Que me quisesse
Deixei que me despisse
Me excitei, te quis
Tanto te quis
Tão perto, ao alcance do toque
Imaginei, sonhei, levitei
No teu tesão...
No toque da sua mão
Aos teus olhos me entreguei
Como se eles pudessem me tocar
Cada vez que me aproximei de ti
Meu corpo respondia com ardência,
Forte, avassaladora, constante,
Inflamei minha libido
Toquei suas costas com meus mamilos
Encostei minha coxa na sua mão
Via-te corar, inquietar-se,
Sentia como se fosse se levantar
E me tomar no colo,
E beijar meu dorso,
E apalpar-me, apesar da multidão,
Mas, quieto, o vi quase enloquecer
De tanto me querer
Ofereci visão privilegiada do meu segredo
E senti meu corpo crescer
E em você se deliciar
Ainda não foi dessa vez,
Mas, um dia, não te escaparei...
Eu sei... eu quero, eu vou...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho SEM ESCAPATORIA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada

sábado, 10 de março de 2012

Cumplices.

Um elogio repleto de estilo ao erotismo. Da minha irmãzinha SILVIA MENDONÇA em dueto  com Ivan Barnabé Sitta. Imperdível... BRRRRRRRRAVOOOOOOOOO!!!

domingo, 4 de março de 2012

TODA COBERTA


Caminhar contigo sempre me agrada. Adoro o toque da sua mão na minha, insinuando toques íntimos. Por puro reflexo, retiro minha mão da sua, você ri, procurando de novo, fazendo graça.
Noite de frio ameno, céu limpo, luar estampado como um holofote pintado no céu.
As ruas ficam desertas em noites frias. Um ou outro passante apressado, não ameaça a privacidade da nossa caminhada.
Vibro como adolescente, esperando um lugar propício para ter roubado um beijo longo, louco e provocante.
Meu olhar procura ao longe um lugar menos iluminado, e o vislumbre, a proximidade de um lugar, provoca uma onda que ora me arrepia, ora me faz transpirar. Pulsação acelerada, mãos regeladas e respiração ofegante.
De repente, tomada pela cintura com uma das mãos e pela nuca, sob os cabelos com a outra, sou tomada para um beijo arrebatador. Adolescer, é o que explica a minha sensação.
Excitada, sinto no contato do seu corpo a sua igual excitação. Contato volumoso que mais e mais provoca meu interesse, meu desespero.
Quero me entregar, te buscar, mas por um momento, temo por meu próprio comportamento.
Puxo-te pela mão e continuo andando.
Um pouco mais a frente, uma arvore de larga copa, oferece um recanto bem propicio e o coração se pronuncia aos pulos.  Mal tenho tempo de parar e sinto seus braços em torno da minha cintura, colhendo-me por trás, em duro e avolumado contato dos seus pensamentos tão excitados quanto os meus.
Reluto, me entregando. Permito o roçar, movo-me sutilmente, empino o corpo, propiciando o contato.
Enlouquecida gosto do toque. Aos poucos sinto sua mão subindo pelas minhas coxas, que por falta de equilíbrio se mantém muito juntas, apertadas. Minha saia já não se comporta mais e sobe. Procuro resistir já sem nenhuma convicção.
Recosto-me no tronco da árvore e vejo-te num repente, diante de mim, abaixado, segurando minha saia com as mãos pelos quadris e sua boca encontra meu “delta de vênus”, beijando incessante, persistente e provocativamente.
Impossível resistir, e já sem noção de qualquer movimento, entreabro as pernas, permitindo sua exploração.
Sinto seus beijos, e aos poucos sua língua entreabre meu segredo, provocando uma larga e ampla onda, um prazer indizível, incontável, indispensável, irresistível. Enquanto sua língua me aprisiona sem permitir qualquer movimento, suas mãos exploram minhas nádegas e coxas, procurando espaços entre a pele e o elástico...
Prazer incontrolável...  nada mais penso, nem quero pensar.
Entregue, já não quero mais que acabe. Sou agora, tudo e quem você quiser. Já não sou dona de mim nem das minhas vontades que agora são suas, todas suas.
Se o mundo acabasse agora, seria feliz por toda a eternidade.
Meu segredo agora beijado, lambido e sugado, já umedece a calcinha que não mais incomoda (aprisionada, ora pela sua, ora pela minha mão) agora já não mais resiste a invasão completa da mão e dedos, e língua... até que completamente vencida, se entrega ao gozo. Estremeço, gemo involuntariamente, sem nem lembrar que ainda estou na rua, sob uma árvore frondosa...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho TODA COBERTA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Jennifer Lopez - Sexy Tango.avi

Extremamente sensual. Passional, excitante, imperdível...