domingo, 27 de novembro de 2011

O CÉU DAS FÊMEAS


Uma fêmea vem pela orla,
Tocando o chão, com a planta dos pés nua
Dos calcanhares as pontas,
Pela calçada quente
Leve e graciosamente
Uma fêmea espia
Espreita o mundo, na ponta dos pés
Sigilosa e sorrateira
Uma fêmea dança na ponta dos pés
Baila, rodopia
Suavemente
Levita, flutua
Guiada pela virilidade do abraço
Samba na ponta dos pés
Livre, solta, desprendida
Volita na madrugada insone
Pelo apartamento do céu, logo acima
Ouço o suave choro das portas,
perdido na quietude da madrugada
Sei que zanza... solta
Uma fêmea não se expõe
Deixa aparecer... uma renda
Deixa marcar,,, um elástico
Deixa escapar... um sussurro, em desabafo
Aposta o coração quando se apaixona,
Certa de que, o poderá perder...
Deixa presa a atenção de um homem
A ponto de, quase... o enlouquecer
Uma fêmea não resiste, dificulta
Não vai... aparece
Não chega... acontece
Uma fêmea é lembrada no rastro do perfume
No reverberar da voz
No movimento dos cabelos
das saias e das coxas,
inquietas,
Que ao acaso, permitem ver
... um pedaço do céu....

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho O CÉU DAS FÊMEAS de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário