domingo, 1 de maio de 2011

FEITO BOBA


O sangue tomou minhas faces
A pulsação fazia-me vibrar
como um tamborim
Eu ali não era mais talvez; era sim
Bastava te ver
E as pernas bambeavam
Já não mais me acompanhavam
Não sabia o que fazer com as mãos
A sudorese intensa
Umedecia meu corpo todo
Impossível disfarçar
Como não titubear?
Como não me entregar
Meus olhos brilhavam
Minhas pupilas se dilatavam
Meus lábios tremiam e se avermelhavam
Por mais que os tentasse conter
Apertava-os, um contra o outro,
Usava a língua pra amenizar
Mas, era involuntário
Inevitável...
Mal conseguia falar
Não conseguia dizer uma só palavra naturalmente
Gaguejava, emudecia
De alguma forma me constrangia diante de ti
Me embaraçava toda
Não conseguia andar normalmente
Meus passos se confundiam
Tinha medo de tropeçar
Me faltava o ar,
Zuniam meus ouvidos
Me sentia uma fã diante do ídolo
Atada, amarrada, confusa
E não queria transparecer
Sob pena de te perder
Queria fingir alguma indiferença
Deixá-lo quem sabe me notar
Quem sabe até comigo flertar
Mas, você devia sentir
Que não era insegurança
Afinal, não é mais criança
E sabe diferenciar insegurança de tesão.

Vera Celms

Licença Creative Commons
A obra FEITO BOBA de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário