domingo, 27 de fevereiro de 2011

VERDINHO


Dias complicados,
Mundo incoerente,
Corações machucados
Razão inconseqüente,

Quem com o errado não ficou,
Talvez tentando acertar
E decepcionada não acordou
Do sonho em estranho lugar

Sonhava estar no paraíso
E catava papel na ventania
Afogada, afogueada perguntei: o que é isso?
E num disco voador, perdida; aparecia

Estranha sensação de não saber
Se devia correr ou ficar
Se devia relaxar e beber
Ou se devia beber para agüentar

Muita coisa estranha já vi
Amor, me bastava ver-te
Procurava tubarão e encontrei siri
Mas nunca tinha visto aquilo verde

Procurava forte emoção
Queria ouvir os clarins do amor
Mas senti uma estranha sensação
Do tesão um imenso calor

Queria um Lord apaixonado
Um homem fino e bem intencionado
Mas encontrei um gostoso safado
Com uma forte pegada e excitado

Procuro um armário preto de oito portas
Mas encontro criado-mudos brancos de gavetinhas
Mas eu não me importo se tu não te importas
Aproveito então pra tirar umas casquinhas

Afinal atração física é tesão
Que vem lá de baixo e não do coração
É como se o batimento mudasse de direção
E nos deixasse até sem respiração

Mas afinal não vou desistir
Pois tesão com amor é bem mais forte
Então com o destino vou insistir
Quem sabe depois do verdinho dou sorte

Vera Celms

Licença Creative Commons
A obra VERDINHO de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário