domingo, 11 de abril de 2010

TRAVESSEIRO MOLHADO


Antes de dormir, pense em mim,
Com os olhos cerrados de sono,
Com o torpor já instalado,
Pense em mim,
Não como quem faz uma oração,
A beira da cama,
Mas, como quem procura
No pensamento, um pecado,
Não para buscar perdão,
Mas para o pecado assumir,
Assume que me quer,
Que seu desejo sou eu,
Sinta seu corpo arder suavemente,
E me encontre no seu sonho mais libidinoso,
Te encontrarei nas altas horas,
Na alta madrugada,
Fazendo esse queimor te consumir,
Levitar, arder de tesão,
Gemer,
Se contorcer nos lençóis
Procurando o contato de mim,
O meu calor, as minhas entranhas,
Me busca ao teu lado,
E acorda montado no travesseiro molhado,
Chamando meu nome...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho TRAVESSEIRO MOLHADO de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada

Um comentário:

  1. Uma alma de poeta
    Contempla os universos
    E com estro interpreta
    As emoções nos seus versos.
    Em cortês galantear
    Faz das palavras poesia
    Com sentimento e rimar
    Em perfeita sintonia.

    E num êxtase sublime
    A sua alma dá guarida
    Aos versos onde se exprime
    P'ra dar ao poema vida.
    Correm rios de emoção
    Em cada verso escolhido
    E Divina inspiração
    P'ra harmonizar sentido.

    Nasce um poema qual filho
    Que o seu âmago produz
    Aonde reflecte o brilho
    Que a sua alma reluz...
    Na magia dum poema
    Ditado à simples caneta
    Há a mística suprema
    Duma alma de poeta!...
    Ola minha amiga... que belo esta teu blog obrigado por vc existir e ter me dado a oportunidade de te conhecer... beijos...

    ResponderExcluir