segunda-feira, 26 de abril de 2010

MEUS SEIOS



Meus seios podem não ter,

A foma de antigamente,

O mesmo vigor de antes,

Pode não dar a visão exata,

Que ourice a libido geral,

Que enlouqueça os menos sensíveis,

Mas tem a idade da minha efervescência,

O volume que te abraça,

Que toca teu rosto,

Teu sexo,

No toque perfeito,

Que te esconde na medida exata,

Pode não ter mais a forma ideal,

Mas guarda o calor de sempre,

O gosto de ontem, de hoje e de amanhã,

Porque é seu, porque faz parte de todo o enredo,

De toda a fantasia que te faz ainda vibrar,

Tremer, que te seduz,

A coloração róseo clarinho,

Não porque é perfeito,

Mas porque foi por ele que tudo começou...

Guarda ele nas tuas mãos,

Na tua lembrança, nos teus lábios,

Junte-os no toque do teu olhar bem próximo,

E jamais se esqueça

Que é nas tuas mãos que eles se eriçam sempre...


Vera Celms


Um comentário:

  1. Estou aqui, ficando louco, só de imaginar. Imaginação pode ?
    Um carinhoso e indecente abraço, Leoa.

    ResponderExcluir