segunda-feira, 26 de abril de 2010

MEUS SEIOS



Meus seios podem não ter,

A foma de antigamente,

O mesmo vigor de antes,

Pode não dar a visão exata,

Que ourice a libido geral,

Que enlouqueça os menos sensíveis,

Mas tem a idade da minha efervescência,

O volume que te abraça,

Que toca teu rosto,

Teu sexo,

No toque perfeito,

Que te esconde na medida exata,

Pode não ter mais a forma ideal,

Mas guarda o calor de sempre,

O gosto de ontem, de hoje e de amanhã,

Porque é seu, porque faz parte de todo o enredo,

De toda a fantasia que te faz ainda vibrar,

Tremer, que te seduz,

A coloração róseo clarinho,

Não porque é perfeito,

Mas porque foi por ele que tudo começou...

Guarda ele nas tuas mãos,

Na tua lembrança, nos teus lábios,

Junte-os no toque do teu olhar bem próximo,

E jamais se esqueça

Que é nas tuas mãos que eles se eriçam sempre...


Vera Celms


segunda-feira, 19 de abril de 2010

ESTA NOITE



Sei que pelo menos esta noite

Freqüento sua insônia, insistente,

Na sua lembrança excitada,

No contato do meu corpo,

No seu corpo,

No caminho que suas mãos percorreram

Sem tréguas, sem esconderijos,

Sem mistérios, pudores e sem alardes,

Sei que pelo menos esta noite

Continuo sendo sua,

No pensamento que insiste em mantê-lo em mim

Com doçura, com saudade,

No carinho que embalou nossa entrega,

Sem pudores, sem reservas,

Sem mascaras, sem nenhuma vergonha,

Sem mais adiamentos

Sem prazos, nem permissões,

Sem embustes, nem enganos,

Pelo menos esta noite

Passarei contigo,

Ainda que seja no seu pensamento,

Marginal, culpado ou não,

No seu corpo cansado, suado,

No seu despertar excitado

Tendo de disfarçar ou bancar

Mas, hoje mais uma vez, pensando em mim...


Vera Celms


domingo, 11 de abril de 2010

TRAVESSEIRO MOLHADO


Antes de dormir, pense em mim,
Com os olhos cerrados de sono,
Com o torpor já instalado,
Pense em mim,
Não como quem faz uma oração,
A beira da cama,
Mas, como quem procura
No pensamento, um pecado,
Não para buscar perdão,
Mas para o pecado assumir,
Assume que me quer,
Que seu desejo sou eu,
Sinta seu corpo arder suavemente,
E me encontre no seu sonho mais libidinoso,
Te encontrarei nas altas horas,
Na alta madrugada,
Fazendo esse queimor te consumir,
Levitar, arder de tesão,
Gemer,
Se contorcer nos lençóis
Procurando o contato de mim,
O meu calor, as minhas entranhas,
Me busca ao teu lado,
E acorda montado no travesseiro molhado,
Chamando meu nome...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho TRAVESSEIRO MOLHADO de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada