domingo, 14 de março de 2010

CALMO...



Amo a calma do seu amor,

Temperado, ardido, louco,

Dosado

Com a temperatura elevada na medida certa,

Mãos que acariciam,

Sentem, vasculham e exploram

Bem dentro, bem longe, bem em mim,

Alcance perfeito,

Ponto ideal,

Meio termo entre a levitação e a loucura,

Entregue as suas mãos,

ao seu corpo,

no profundo do seu abraço,

visão do paraíso completo,

Escalo o pico do meu prazer,

agarrada como uma alpinista,

medida exata,

Só precisava de mais tempo,

transcenderia varias vezes,

entre o êxtase e o nirvana,

Quero que me queira,

Tanto, tudo, e mais... muito mais...

Movimentos precisos para o deleite,

Soltos como a lembrança,

Como a saudade,

Como o desejo,

Como a necessidade de ficar mais um pouco,

De esquecer do resto,

De relevar a vida além de nós,

Amo a calma do seu amor,

Avisando o momento, num sussurro,

Preparando a flor da minha pele pra receber,

O que o seu corpo tanto guardou,

Tanto preparou,

Quero voltar as suas mãos,

Ter você além do sonho,

Além da miragem,

Além da aragem que passa pela porta,

Que atravessa meus cabelos,

Meu alvo dorso,

Trazendo seu cheiro,

A minha saudade,

Lembrando com gestos,

A medida do seu amor,

Liso, brilhante, majestoso,

Perfeito...

E meu... pela duração de um momento,

Ou de toda a eternidade...


Vera Celms


Um comentário:

  1. Vera:
    Recebi este seu poema ótimo para postagem no Duelos.
    Imaginei que seja para participar do Tema do Mês e então coloquei-o no arquivo do dia 31/03 e incluí seu nome na lista de participantes, devidamente linkado para cá.
    Caso eu tenha me enganado e não seja para ser postado no Tema do Mês, por favor me avise.
    Valeu mesmo! Apareça sempre!
    Abraço e tudo de bom!

    ResponderExcluir