domingo, 27 de setembro de 2009

EXPLOSÃO



Desde que te conheci,

Tenho todas as sensações afloradas,

Tudo a mais intensa flor da pele...

Quando estou com você,

O seu cochichar nos meus ouvidos me enlouquece,

O seu cheiro me satisfaz,

Tanto quanto seu perfume me desespera,

O toque das suas mãos me faz levitar,

Enquanto passeiam, seguram, vasculham e me apertam,

Sem nenhum pudor, sem nenhuma decência.

A sua língua na minha, descontrolada, faz de mim um pedaço de você,

Com o seu gosto, com a sua salivação,

Seus olhos me despem além do toque,

Me fazendo ferver de desejo,

Fazendo meu corpo suplicar o seu roçar aflito,

O seu hálito embaça a minha razão,

As nossas pernas se confundem num balé sincronizado

E nossos braços tentam transformar nossos corpos num só...

De repente, sinto seu toque excitado, rijo, quente,

Me tomando de frente, me virando de costas,

Sentindo sua roupa úmida em contato com a minha,

E num instante, a sincronia é total,

Um dedo empurra o outro,

E lançam nossos botões e zíperes,

Nossos fechos e fivelas ao chão...

Deixando a mostra a umidês da nossa excitação,

O descontrole da sedução,

A vontade e a ânsia da consumação,

Do fato, do ato, da masturbação,

Da sugação, da felação,

E neste momento, todas as terminações nervosas,

Convergem para o mesmo lugar,

Para o meu segredo já aberto e suplicante,

Invadido pela sua virilidade latejante...

Altamente deslizante,

Em fortes movimentos,

Fazendo trombar as nossas descargas elétricas

Até que explodam...

Conjuntamente no gozo de todo o nosso tesão...

Vera Celms


domingo, 6 de setembro de 2009

DO COMPASSO A PAIXÃO



Hoje, quando me deito,
Chamo...
Teu nome,
Tua voz aos meus ouvidos
Sussurrada qual vento pela fresta
Da janela semi aberta
Do meu corpo mal fechado
Úmido, quente, aceso,
Ressoando em espasmos
Em arrepios seguidos
Que me trazem tua imagem
Diante de mim,
Com olhos acesos de desejo
Detrás de mim,
Com mãos afoitas e aflitas,
Vasculhando cada ponto,
Exposto, a mostra, que se abre,
Suplicando o contato do seu membro quente,
Lascivo, brilhante,
Inquieto e já enlouquecido
Tentando adiar,
Tentando, mais um pouco
Mais um curto movimento
Mais um golpe, macio, lento, liso...
Largo e solto...
O suor tomando os corpos
Em sincronia lenta
Até um não supor...
Até um não adiar
Um não desistir
E um não agüentar mais...
Transformando compasso
Em paixão...
Em braços e pernas abertos, retesados, no chão,
Por sobre o colchão,
Nós, abraçados a nós...
Na explosão,
Na devassidão,
Entregues, derrotados pelo tesão...

Vera Celms