domingo, 17 de maio de 2009

NA LENTE DO VOYEUR


Nua diante da janela, excitada,
Libido exposta
Me flagro na moldura da janela
Imaginando o quadro,
Imaginando quem passará
Quem passará, ficando,
Que ficará, pensando
Quem pensará...
Quem voltará amanhã e amanhã, buscando
Como quem não viu,
E eu talvez esteja lá amanhã, e amanhã,
Pois fértil, a fantasia se expande
Se reproduz
Se acrescenta... procria
Ou pelo menos se divide em partes iguais, todo dia,
E eu, como um quadro, estarei lá,
Como quem não vê
Oferecendo a paisagem,
Confesso, que propiciando melhores ângulos...
Tomando altura, para ser vista bem mais pra baixo...
Darei as costas,
Apesar de um quadro jamais ser apreciado no verso,
Farei versos mesmo assim
Sabendo com isso criar mais fantasias
Alegrar seus olhos
Avançar a sua imaginação,
Invadir a sua privacidade com a minha
A olho nú
Um corpo nú
Mirada no melhor ângulo do voyeur
Na lente do seu óculos
Do seu binóculo
Mas, no seu foco...
E meu corpo nú, hoje de novo,
Diante da janela excitada
Muito excitada...
Excitando você,
Dentro da minha imaginação
Todo dia todo dia...

Vera Celms

Nenhum comentário:

Postar um comentário